Viagem de mãe e filha – uma dia das mães muito especial na Estância Betânia

Viagem de mãe e filha – uma dia das mães muito especial na Estância Betânia

Somos membros das “novas famílias”. Eu e minha filha de nove anos. Sozinhas em Curitiba, com minha mãe, irmãs, tias e afins de sangue morando longe, queríamos um dia diferente para comemorar O Dia das Mães. Os pré-requisitos foram muitos, confesso: custo, proximidade, aquecimento, aventura e momentos que as duas pudessem aproveitar. Não coloquei tudo isso no Google, mas de clique em clique encontrei a Estância Bethânia, que atendeu a quase todos os itens que estavam na minha cabeça: pertinho da cidade e um preço atrativo, principalmente por conta da pensão completa
Saímos no sábado pós-almoço e chegamos lá a tempo de pegar uma piscina aquecida.  Helena estava muito ansiosa por isso e nem quis explorar o local logo na chegada.  Nos perdemos um pouquinho para pegar a Estrada da Ribeira (mas eu não sou referência, porque me perco até pra chegar no Largo da Ordem), mas já nos
impressionamos na entrada. O jardim é super bem cuidado e a recepção tem pessoas muito educadas e solícitas. As acomodações não são das mais modernas, mas são limpinhas e quentes. Para ir até a piscina é preciso mudar de prédio, o que implica uma caminhada ao ar livre. Mas se você estiver no outono, é só colocar um agasalho e na hora de tirar a roupa no vestiário, o ambiente já está quentinho. A estância tem uma programação direcionada aos hóspedes (recreação e outras atrações), mas como queríamos aproveitar sozinhas o tempo livre, íamos no contra-fluxo. Apesar de ser Dia das Mães, mesmo com bastante gente, conseguimos ter nossos momentos “a duas” e aproveitar toda a infra-estrutura do local. Fizemos até hidromassagem com banho de ervas e muuuitas espuma.  
 No dia seguinte, acordando cedo e comendo iogurte e pães caseiros deliciosos, tivemos energia para jogar mini
golfe e explorar as trilhas. Deu para brincar na tirolesa até cansar, sem filas. Helena não é exatamente uma amante da natureza, mas se arriscou muito bem na exploração. Subiu a ponte sobre as árvores várias vezes e até quis pescar. Na sala de jogos (modesta, com algumas mesas de sinucas e pebolin) escolheu o xadrez e ficamos um tempão lá. Se você quer descansar no quarto e comer alguma coisinha é bom levar umas comprinhas. Tem frigobar, mas vazio. Se quiser algo, tem que pedir, com um cardápio restrito, mas o local também
oferece copa comunitária para quem tem crianças pequenas. Helena ficou bem com os pistaches que levamos e nem precisamos pedir nada fora dos horários das refeições. Eles servem sanduíches nos quartos, mas só até às 22 horas, quando pedem aos hóspedes silêncio. Nós fizemos. E também na hora de partir, no dia seguinte, por causa da saudade antecipada, pois é um programa muito bacana para quem quer passar um tempo de qualidade com os filhos. Olha só o sorrisão da menina. 
Katia é mãe da Helena (9 anos)
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *