Trekking com bebê em Itacaré

Trekking com bebê em Itacaré

Conhecer Itacaré (Bahia) era um desejo antigo, mas só tive esse privilégio recentemente, em uma viagem com meu esposo e minha filha (Giovanna), que estava com 6 meses durante a viagem. Como Itacaré é um destino totalmente natureza e com praias belíssimas acessíveis apenas por trilha, desde o início planejamos que desbravaríamos os morros repletos de mata atlântica preservada e as praias lindas com a minha filha nas costas.

Curtindo a trilha com a mamae

 

 

Quando chegamos em Itacaré fomos logo em busca de um mapa das praias e informações para escolher nossas trilhas. Começamos por trilhas mais curtas, mas eu queria muito conhecer as praias mais remotas e selvagens, logo, de mais difícil acesso.

Quando eu comentava com alguém que queria fazer determinada trilha e a pessoa nos via com um bebê de 6 meses, sempre nos desanimavam dizendo que a trilha era muito longa e difícil, e por isso não dava para ir com um bebê.

A praia que eu mais queria conhecer era a Praia de Jeribucaçu, uma praia quase deserta que fica na área de uma propriedade particular cercada por morros, muitos coqueiros e o rio Jeribucaçu. Mas quando eu perguntava para as pessoas sobre a trilha, diziam que era muito difícil, íngreme, escorregadia e que não seria possível ir com bebês.

Bom, depois de alguns dias na cidade, fazendo diversas trilhas, tivemos o feliz encontro com uma moradora local que disse que havia feito a trilha para Jeribucaçu várias vezes com o filho, que estava com 1 ano e 2 meses na época. Foi o que faltava para resolvermos encarar a melhor trilha de Itacaré!

Como falaram que a trilha era pesada, eu e meu esposo (Ary) combinamos logo as regras do “jogo”: ele carregaria ela na ida e eu carregaria na volta! rsrs.

Eu mal sabia como era a trilha… E chegando lá, me dei conta que a trilha começa no alto de um morro! Ou seja, a ida era uma descida íngreme e a volta…. subida!! Resumindo, me lasquei!!! kkkkk.

O início da trilha é em um morro com muita mata atlântica. É possível estacionar o carro dentro de uma propriedade (cobram R$ 10 pelo carro, com direito a chuveiro). Depois de estacionar, é só se equipar e partir para a trilha!

O inicio da trilha para Jeribucacu

O percurso tem muitos trechos de sombra, pois o trekking é feito em grande parte no meio da mata. A ida é descendo, então em algumas partes é preciso ter cuidado, principalmente se tiver chovido muito na véspera, pois pode ficar escorregadio. Mas como o terreno quase forma uns degraus em torno das raízes das árvores, é possível ter firmeza nos pés ao apoiá-los nas raízes.

Olha a situação na volta

 

Depois de um tempinho de descida, vem uma parte aberta (sem a sombra das árvores) onde é possível avistar a praia de Jeribucaçu lá em baixo!! Que visão maravilhosa!! Se eu já estava encantada com a trilha em si, que é ótima de ser feita em meio às árvores, com a visão do mirante fiquei ainda mais entusiasmada!

Trilha para praia de Jeribucaçu

Chegada na Praia de Jeribucacu

 

 

A pequena Pituquinha foi parceira do início ao fim, seja acordada, seja dormindo! Rsrs

Dormindo no trekking de ida para a praia

 

 

A praia, que é bem protegida por morros dos dois lados, pedras e muitos coqueiros, tem uma área extensa de areia branca que chega até a água cristalina do rio Jeribucaçu. Tudo isso dá a sensação de perfeita harmonia da natureza em um cenário paradisíaco e imperdível!

Pausa para foto na praia de Jeribucaçu

 

A Praia de Jeribucaçu é absolutamente imperdível! E se você puder ter o privilégio de levar seu bebê para conhecer esse paraíso, você não vai se arrepender!

Localização: pela BA-001 (estrada que liga Itacaré a Ilheus). Deve-se pegar uma estrada de terra que fica no km 6 da rodovia. De lá são mais 3 km até o estacionamento pago.

Estrutura: barracas que vendem bebidas, água de coco, tapioca, queijo coalho e peixe.

Trilha: entre 30 e 40 minutos de trilha com trechos íngremes em meio à mata atlântica, com muita sombra.

 

Quer ler sobre Dicas para fazer Trekking com Bebê? Veja esse post:

http://www.olhardeviajante.com.br/dicas-para-fazer-trekking-com-bebe/

 

A Laira é Bióloga por formação, economista por profissão, viajante de corpo e alma e blogueira de coração. Casada, mãe da Giovanna, de 1 ano e 5 meses. Apaixonada por cada canto do mundo, principalmente por destinos com muita natureza, programas outdoor e esportes de aventura. Completamente viciada em viajar, não consegue parar de pensar no próximo destino. Acha que o mundo é muito grande para se conhecer em apenas uma vida!

Blog: www.olhardeviajante.com.br

 

 

Leia também:

As Melhores viagens com crianças: Itacaré

Todos os cantos e encantos da Bahia

As Melhores Viagens com crianças: Imbassaí (Bahia)

 

1 comentário

  1. Responderlia

    Bacana o relato! Dá pra ir em muito mais lugares do que o que se pensa com crianças, desde que o trajeto não seja perigoso. Só acho que esse marido podia ter sido mais solidário, hem! Se fosse aqui a fêmea levava na ida e o macho na volta, que é quando todos estão mais cansados. Quando vamos em cachoeiras, eu levo a bebê (1a6m) e ele leva a do meio (3 anos e quase 18kg!). A maiorzinha, de 5, vai andando. Homens, no geral maiores e mais fortes, têm de levar mais peso, né?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *