Coreia com crianças: mais que uma aventura!

Coreia com crianças: mais que uma aventura!

Este ano resolvemos ir à Coreia.

A primeira pergunta quando dizíamos que iríamos à Coreia era: porque Coreia? País seguro, com pouco turismo ocidental (o que gerou várias situações inusitadas que contarei em diferentes posts), com muitas opções de atrações na natureza e, em princípio, kids friendly. Assim que…lá fomos nós!

Neste post darei uma visão geral da viagem e nas próximas semanas vou postando os detalhes.

Ficamos 16 dias, além dos dois dias de viagem. Voamos com a TAP/Lufthansa (Lisboa – Munich – Seoul). Na ida pegamos o voo que saia de Munich às 16 e chegava em Seoul às 9 da manha e na volta saímos de Seoul às 12 e chegamos à Munich às 16. Os dois voos teriam sido muito tranquilos se não fosse a febre de 39º do Kai na ida. Entramos no avião e ele disse: “Tô doente mamãe”. E tava mesmo… o pessoal de bordo nos viu com o termômetro e logo quiseram ajudar, procurar um médico, …nota 10! Ainda bem que foi só uma febre passageira e que não houveram complicações.

Ficamos 7 dias em Seoul (6 no começo da viagem e um no final), sendo que um fomos a Jeonju e um à DMZ (Zona Desmilitarizada – Fronteira com a Coreia do Norte). De Seoul pegamos um trem à Gyeongju (1 dia) e de lá fomos à Bussan (3 dias). De Bussan pegamos um voo com a Korean Air à ilha de Jeju onde passamos 4 dias. Como o nosso voo saia de Seoul às 12 achamos melhor passar o dia anterior já na capital para evitar problemas.

korea

Aqui deixo algumas dicas básicas para viajar com crianças pela Coreia:

– A natureza é bem cuidada e protegida o que faz com que existam vários parques naturais incríveis por todo o país com trilhas lindíssimas. Nós fizemos algumas e adoramos! Mesmo quem for poucos dias, vale a pena reservar um para visitar um destes parques.

CASCATAS_JEJU

– “Quem quer o Santo, beija as pedras”… muitos destes lugares lindos são de difícil acesso, assim que tivemos que carregar o carrinho do Kai (ou deixá-lo estacionado em algum lugar). Se a criança for pequena e ainda couber na mochila, esta é uma ótima opção. As “muitas escadas”, são muitas mesmo! O Toni carregou o Kai em muitas delas e, com certeza, perdeu vários quilos com isto.

PARQUE_JEJU

– Coreia tem muitas ilhas pequenininhas e outras nem tanto. A mais famosa, Jeju, é digna de visita e, sempre que possível, de uns 4 dias no mínimo.

IMG_3657

– Em agosto, as altas temperaturas e umidade fazem com que a sensação térmica seja de um calor quase insuportável. Proteção solar, chapéu, camisa fininha de manga comprida são quase obrigatórios. O ideal é ter uma toalhinha, ir molhando com agua e passando pelo rosto, pescoço e braços para refrescar um pouco. Nos primeiros dias o Kai tomava um suco atrás do outro…acho que pensou que tinha entrado num forno! O calor e a quantidade de gente provoca um pouco de stress geral, assim que recomendo muitas paradas durante o dia para sucos, cafés e sorvetes em lugares mais fresquinhos. Ainda bem que opções não faltam e todas deliciosas!

Kai_sorveteria

– O inglês não é um idioma dominado pela maioria das pessoas; apesar disto, eles sempre tentam ajudar.

– Ver crianças ocidentais não é muito comum e isto provoca que, quando aparecem, chamam muita atenção. Muita gente parou para tirar fotos e brincar com o Kai. No começo o Kai não se incomodava, mas com o passar dos dias ele foi fechando a cara e para que alguém conseguisse tirar uma foto dele tinha que penar…

Elas_ele

– Em geral, há poucos parques públicos infantis urbanos por onde andamos na Coreia. Algumas praças com fontes de água onde as crianças podiam brincar, mas sem parquinhos. Então para combinar programas para “grandes” e “pequenos” tínhamos que procurar algum museu voltado para crianças, parques de atrações, restaurantes com aquários na porta que chamassem atenção, …

Fontes

– Para pegar táxis o melhor é ter o nome do destino escrito em coreano, porque muitos motoristas somente sabem ler o alfabeto coreano e não entendem o inglês falado.

– Para alugar carro é obrigatória a carteira internacional de motorista. É, em outros países também, mas lá eles realmente pedem na hora de retirar o carro. É fácil dirigir e a maioria das placas está escrita em inglês também, a única coisa é que correm muito (dentro e fora das cidades).

– O trem é uma ótima opção para viajar dentro da Coreia. Existem várias combinações de passes de 3/5/7 dias (Atenção: estes passes são somente para estrangeiros). Os passes devem ser reservados online e confirmados na própria estação de trem. É bom passar pela estação para validar o passe com alguns dias de antecedência para não correr o risco de ficar sem ou ter que viajar em pé.

– Em Seoul existem um passe  para visitar os palácios de Changdeokgung (incluso Huwon, Secret Garden), Changgyeonggung, Deoksugung, Gyeongbokgung e Jongmyo Shrine (Combination Ticket for Palaces e custa 10.000 Won). Se você visitar dois já vale a pena e evita filas para comprar as entradas de cada palácio.

– Principalmente em Seoul, que tem uma densidade de população duas vezes maior que São Paulo, todos os lugares estão, e estarão, sempre cheios. Uma maneira de minimizar isto é começar o dia muito cedo (o que também está bem por causa do calor).

Seoul_1

– O cartão de metrô (T-Money) de Seoul vale também para Bussan. Uma ótima maneira de facilitar a vida dos usuários. O cartão é comprado e carregado  nas máquinas ou nas lojas de conveniência das estações do metrô. O sistema de metrô tanto de Seoul como de Bussan funcionam super bem, já o de ônibus é um pouco mais complicado, principalmente, porque toda a informação está em coreano. Atenção que nem todas as entradas do metrô tem elevador e também tivemos que carregar o carrinho muitas vezes.

– Os Hanoks, casas tradicionais coreanas, são uma ótima opção de alojamento para aqueles que querem conhecer de pertinho a cultura coreana. Nos próximos posts contarei nossa experiência nos Hanoks que ficamos!

– A comida é um capítulo a parte. Tenho a sensação que na Coreia come-se tudo que vem do mar, seja bom ou não. Experimentamos alguns dos manjares coreanos e não estavam tão ruins, mas a sensação de comer um polvo que ainda se mexe é muito estranha. Nos próximos posts dou mais detalhes.

Mercado_peixe_Seoul

Coreia…tradições, tecnologia de ponta, metrópoles altamente densas e povoados, comidas das mais diferentes e um povo muito autêntico. Nós adoramos a experiência e a recomendamos!!!

Aqui estão algumas fotos…semana que vem conto detalhes sobre Seoul!

Kai_Seoul

Kai pelas ruas de Gangnam, Seoul

Gyeongju

Donggung Palace

cataratas_jeju_ponte

Ponte Seonimgyo, Jeju

Templo_1

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Ana, mãe do Kai de 3 anos e da Noa de 2 meses. Arquiteta, mãe e passageira, seja para onde for a viagem. Ela adora viajar em família e mostrar diferentes países e culturas aos seus pequenos.

Ver meus outros posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *