Aquário de São Paulo

Aquário de São Paulo

Chegamos ao Aquário de São Paulo numa sexta-feira à tarde sem saber nada sobre as atrações: eu, meu marido e nosso filho Francisco, de quatro anos. À primeira vista, o ambiente não é convidativo, familiar. Na bilheteria, quase desistimos: “Duzentos e vinte reais”, disse a moça que nos atendeu. Respiramos fundo e mergulhamos na aventura.

Como é o Aquário de São Paulo

Dory, Nemo, tubarões e outras feras

O passeio começa com uma boa variedade de peixes e, aos poucos, aparecem surpresas legais: a Dory e o Nemo, cobras, jacarés, tartarugas, aranhas, raias, pinguins e tubarões. O tanque, com 1 milhão de litros de água salgada, abriga duas espécies da fera, e eles ficam tão pertinho, por cima e pelos lados, que dá frio na barriga.

Do Brasil para o mundo

Lontra, bicho-preguiça, peixe-boi e outros animais representam a fauna brasileira, mas depois de passar por um “portão de embarque”, como se fosse num aeroporto mesmo, surgem novos destinos muito além do ecossistema aquático: África, Indonésia, Austrália, Polo Norte e Polo Sul.

No continente africano, Francisco reconheceu de cara o Rei Julien, rei dos lêmures do desenho animado Madagascar; e o Timão, suricato que fazia dupla com o Pumba, no Rei Leão. Na Indonésia, o que mais gostamos foram os tais Pteropus vampyrus, mais conhecidos como morcegos. Muito legal!

Já na Austrália, ficamos impressionados com os cangurus e coalas. Tudo num ambiente cenográfico e climatizado. Os animais pareciam felizes e havia funcionários especializados o tempo todo no entorno. Na verdade, o Aquário de São Paulo tem todo um cuidado especial em relação ao bem-estar dos animais que vivem ali. Eles estão envolvidos em projetos de conservação, educação e pesquisa.

Área de Alimentação do Aquário de São Paulo

É nesse setor da Austrália que fica a praça de alimentação. Não comemos lá porque tínhamos acabado de almoçar, mas achamos a área meio pequena, com apenas uma lanchonete. Como fomos em dia de semana, havia algumas escolas, mas poucos visitantes, então, não vimos tumulto. Mas eu não arriscaria comer ali nos fins de semana. O banheiro também pareceu pequeno para a quantidade de pessoas que deve circular por lá em dias mais cheios. Tem algumas barraquinhas de sorvete, água, sucos e doces, mas nós sempre levamos uma mochila abastecida. Mais prático e mais barato.

Brinquedos extras – mais $$

Nesse mesmo ambiente, duas atrações à parte: o Cinema 7D (não entendi até agora o lance do 7D – era um filme em 3D que mexia a cadeira, com vento em alguns momentos e gotas d’água) e o Aquário Abaixo de Zero (um trenzinho que passa por animais da pré-história). Não gostei do fato de ter que pagar mais R$15 por pessoa, por menos de cinco minutos (independente da idade) em cada um desses brinquedos. Sinceramente, achei fraco, senti falta de refinamento e tecnologia (Aquário Abaixo de Zero me lembrou aqueles trens fantasmas da década de 1980). Mas vou confessar: o Francisco enlouqueceu, adorou, pirou – para ele foi o ponto alto do nosso dia (vai entender!)! Tem também o Jurassic Aquarium nesse formato, mas despistamos o pequeno e acabamos não indo.

O urso exibicionista

Depois de uma bela caminhada por diferentes continentes, passando por réplicas de um submarino e de um navio naufragado, chegamos aos lobos-marinhos e aos esperados ursos polares. Não sei se foi sorte ou se é sempre assim, mas um dos ursos deu um show! Mergulhava e nadava de costas sem parar, muito animado em direção à plateia, como se estivesse se apresentando de verdade.

Atração especial

Já na saída, um coral de vozes aclamava: “Sereia! Sereia! Sereia!”. A atração esperada pelas crianças eram as criaturas mitológicas, que nadavam em um dos aquários, lindas e bem reais (risos). “O Mergulho das Sereias” é uma atração esporádica, então, é importante consultar a programação antes.

Pontos para levar em consideração

Apesar de caro, o passeio no Aquário de São Paulo vale a pena!

O passeio, no geral, foi muito divertido e educativo. Passamos algumas horas no Aquário, aprendemos, e, confesso, superou nossas expectativas, apesar de não haver comparação com outros parques com a mesma proposta fora do Brasil, como o New England Aquarium, em Boston (USA), por exemplo. Achei que, pelo preço, algumas melhorias são bem-vindas, especialmente relacionadas à tecnologia, mas voltaria lá com certeza. Ah, uma dica importante: tem várias lojinhas pelo percurso, entre um setor e outro, então, prepare-se.

INGRESSOS

  • Crianças de 3 a 12 anos: R$ 50
  • Adultos: R$ 85
  • 60 anos ou mais: R$ 42
  • “Segunda-Feira com Desconto”: R$ 50

 

Rua Huet Bacelar, 407, Ipiranga

Telefone: 11 2273-5500

http://www.aquariodesp.com.br

 

 

Leia outros posts de São Paulo com crianças

 

1 comentário

  1. ResponderEmanuelle Biagi

    Viajei em junho com o meu filho de 06 anos e minhas sobrinhas de 04 e 01 ano e meio, e eles tbm enlouqueceram com tanta beleza e criaturas em um só lugar.
    Reconheceram criaturas dos desenhos animados e de nosso Estado.
    Super recomendo os pais que estiverem em São Paulo de férias ou de passagem, a visitarem esse lindo lugar…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *