Legoland Flórida: vale incluir no roteiro?

Legoland Flórida: vale incluir no roteiro?

Quando fomos para a Flórida, demorou um tempo para decidirmos se íamos ou não para a Legoland, que fica próximo a Orlando.

No fim, fomos e não nos arrependemos. Porque apesar de algumas coisas beeeeem longe do padrão Disney, gostamos muito!

Então, acho que vale a pena se você estiver “cumprir” esses itens:

1. Estar com crianças pequenas

É claro que as maiores se divertem também – e os adultos idem! -, mas são os pitucos que aproveitam mais. A área do Lego Duplo é simplesmente incrível.

Quando fomos (em setembro), estava bem calor, então o Theo e a Liz piraram na área com água chamada Splash and Play.

O carrossel também é uma fofura!

Fora que o parque é pequeno, então acaba sendo do tamanho ideal para as crianças pequenas não se cansarem tanto.

De qualquer jeito, não esqueça seu carrinho – pra mim, ele foi fundamental em todos os parques, mesmo para o Theo, que tinha quase 6 anos na época.

Outro ponto interessante é a montanha russa The Dragon, que aceita crianças a partir de 1 metro. Pode ser o lugar ideal para uma mini-aventura, já que normalmente o limite de altura é bem maior. A Liz adorou!

2. Ajustar as expectativas

Talvez uma boa ideia seja ir no Legoland antes de ir nos outros parques de Orlando. Isso porque comparar a experiência com o padrão Disney pode ser um pouco frustrante. Um exemplo: os funcionários da Legoland não costumam ser super prestativos como os da Disney.

Pelo menos essa foi a experiência que tivemos. O rapaz que cuidava do carrossel, por exemplo, praticamente nos expulsou do brinquedo mesmo ainda faltando um tempinho para o horário do fechamento.

3. Levar seu próprio lanche

De novo, se você ficou felizão com os restaurante delicinhas da Disney e afins…. bem, acho que vale passar em um supermercado antes e levar um almocinho rápido.

Há lanchonetes espalhadas pelo parque, mas achei todas bem caídas.Uma quantidade louca de fritura, mesmo para os padrões americanos!

E o Market Restaurant, estilo buffet, mais parecia um bandejão de escola ruim.  

4. Estiver a fim de dirigir

Dirigir nos Estados Unidos costuma ser sempre bem tranquilo. E para ir até a Legoland não foi diferente. Mas acho importante, especialmente com criança pequena, que o trajeto até lá dura uma horinha, talvez um pouco menos. Então, vale levar um lanchinho ou alguma distração para a viagem.

E, falando em dirigir, lembrei que tanto o Theo e a Liz amaram muito todos os brinquedos de carrinho, em que as próprias crianças podem “pilotar”, e também os vários veículos de Lego espalhados pelo parque. Também achei fofo!

5. Fazer ‘combinados’ antes das compras

Meu marido me lembrou há pouco de como as lojinhas da Legoland tinham promoções de verdade. De fato, havia preço bom para todos os lados, das caixas maiores até os minifigures.

Assim, diante desse cenário tentador, não custa conversar antes com as crianças sobre um valor que cada um possa gastar ou qualquer outro combinado do tipo. Evitar susto com a fatura do cartão é sempre uma medida válida 😉

Outros posts da Mariana:

Leia também:

Mariana Della Barba é jornalista e mãe do Theo e da Liz. Desde a barriga, os dois já foram “contaminados” por aquele bichinho que dá coceira se a gente fica muito tempo em casa 😉 Ama levar os filhos para turistar mundo afora, mas também na sua própria cidade. Tanto que escreveu o guia “São Paulo com Crianças”, lançado pela Pulp.

Ver meus outros posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *