Açores em família

Açores em família

Açores em família é o passeio ideal para qualquer época do ano. O arquipélago é um paraíso ideal para famílias!

O arquipélago tem 9 ilhas divididas em três grupos Oriental (Flores e Corvo), Central (Terceira, Pico, Faial, São Jorge e Graciosa) e Oriental (São Miguel e Santa Maria). O primeiro grupo é o mais distante do continente e para onde os voos e barcos são menos frequentes. São Miguel, a maior das ilhas, tem vários voos diários desde Lisboa (com a TAP e a SATA) e Porto e entre ilhas.

Há três anos estivemos nos Açores (post com dicas gerais aqui), nas ilhas de São Miguel, Faial, Terceira e Flores. Adoramos tudo: as pessoas, a culinária, as paisagens, …e então, este ano resolvemos voltar. Desta vez fomos com as crianças ( 4 anos e 1 ano) e os meus sogros (na casa dos 70).

Quando decidimos ir aos Açores em família, não sabíamos quais ilhas escolher. Optamos por São Miguel, Faial e Pico. A principal razão desta escolha foi a facilidade nos deslocamentos desde Lisboa e entre as ilhas.

Uma vez escolhidas as ilhas a visitar, os próximos passos foram o aluguel do carro e casa.

DicaduKa-i: Entre junho e julho as flores nas ilhas são um espetáculo a parte. Impressionante!

Flores nas estradas, parques e jardins

Açores em família: aluguel de carro

Para aproveitar mais o tempo juntos, nós alugamos um 7 lugares (com espaço para malas e carrinho duplo) em São Miguel e no Faial (fomos de barco para o Pico). Como as ilhas são pequenas, a oferta de carros grandes acaba rápido, é bom reservar com antecedência.

Em São Miguel alugamos com a Azores Holidays. Eles estão fora do aeroporto e, apesar da demora para nos recolher na chegada, voltaria a alugar com esta empresa pela simpatia do pessoal. Todos muito queridos e prestativos.

No Faial tínhamos alugado com a Ilha Verde. Quando chegamos o único 7 lugares que tinham (eu disse que a oferta é reduzida!) tinha quebrado. Eles nos ofereceram um outro carro “7 lugares” mas sem espaço para malas. Depois de alguma conversa, cancelamos a locação e alugamos um 7 lugares com a Auto Turística Faiense. Um pouco de paciência e bom humor e tudo resolvido.

Como a oferta é pequena, os preços são mais altos do que no continente. Nós pagamos, em média, 120 euros/dia (já com seguro total e cadeirinhas).

DicaduKa-i: nós fomos de Faial ao Pico de barco. Para levar o carro alugado para uma ilha diferente de onde o carro foi alugado, é necessário pagar uma taxa de 15 euros (taxa de autorização da saída do carro da ilha de origem). Este documento é verificado antes do carro entrar no barco que faz a travessia entre as ilhas.

Açores em família: barco entre ilhas

Uma das formas mais fáceis de ir de uma ilha para a outra, dentro dos grupos (oriental, ocidental e central) é ir de barco. A companhia que faz estes trajetos, transportando veículos (em alguns horários) e passageiros, é a Atlantico Line. As tarifas variam de acordo com o trajeto e se inclui veículo ou não sendo que há alguns descontos para famílias e de acordo com a temporada da viagem. É possível comprar as passagens online, diretamente no escritório em frente à marina ou na própria estação.

Travessia Faial – Pico. Vista de Horta.

Nós fizemos o trajeto Faial (Horta) – Pico (Madalena) – Faial levando o carro (saímos às 7:30 do Faial e voltamos às 22:45 horas) . A travessia demorou uns 30 minutos com mar bem tranquilo e umas vistas lindas das duas ilhas.

Açores em família: aluguel de casa

Há muitas opções de hospedagem, seja em hotéis ou casas particulares. Nós optamos por alugar casas pelo airbnb.

Da outra vez que estivemos nos Açores também alugamos casas e tivemos uma ótima experiência. Desta vez aprendemos um pouco mais sobre alugar casas nas férias…

Casa em São Miguel

Na ilha de São Miguel ficamos na Quinta das Amoras, em Santo Antonio Nordestino (há 45 minutos do aeroporto de Ponta Delgada). Valeu a pena a distância de Ponta Delgada pela tranquilidade do lugar e amabilidade dos donos.

Zona da piscina da Quinta das Amoras

Quinta da nossa casa na Quinta das Amoras

A Quinta das Amoras tem alguns bungalows e uma casa com dois quartos (onde ficamos). A casa estava super limpa e deixaram o berço montado para a Noa. A cozinha, apesar de pequena, tinha tudo o que precisamos.

Cada bungalows tem uma pequena varanda e a casa tem um jardim com espreguiçadeiras para os finais de tarde que são lindos.

Vista da casa para Santo Antonio

Já ia esquecendo… na Quinta tem piscina. Nós não a usamos porque sempre aproveitávamos o dia até o final passeando, mas para quem tem um ritmo menos “frenético” que o nosso, a piscina no final do dia é um presente.

Um lugar delicioso e super tranquilo! Espero voltar em breve.

Casa no Faial

Sempre há uma primeira vez na vida…. sempre tivemos sorte com as casas que alugamos pelo mundo. Desta vez a coisa mudou.

Alugamos uma casa há uns 15 minutos de Horta, a principal cidade da ilha do Faial. No dia anterior à nossa chegada o proprietário insistiu que ligássemos à pessoa que nos receberia. Liguei e descobri que não haveria ninguém para nos receber e que ela deixaria a porta aberta e as chaves dentro da casa. Achei estranho, mas pensei: “coisa de cidade pequena”. No dia seguinte, quando chegamos, entendi. Apesar de alugarmos “Casa Inteira” no airbnb, a casa tinha dois andares e no primeiro andar mora uma família. Então é claro que ela podia deixar a porta aberta, pois tinha a vizinha de cima cuidando.

Bom, depois da surpresa “da casa compartilhada”, a coisa só piorou. A casa estava imunda, a cozinha melhor nem dizer, não tinha berço para a Noa, … enfim… casa “estilo Gui” (um amigo viajante muito guerreiro que temos). Dilema: ficamos ou vamos para outro lugar? Nesta altura já eram mais de 10 da noite, as crianças caindo de sono e nós exaustos. Ficamos. Só usamos a casa para dormir. Entrei em contato com o proprietário, que estava na Alemanha, e ele não deu a mínima. Decidi não estragar os nossos dias lá discutindo, apenas deixei uma review no airbnb.

DicaduKa-i: Quando alugarem casas nos Açores, além de ler as reviews, olhem se o/a proprietário/a é das, ou mora nas, ilhas. Normalmente, as pessoas que moram nas ilhas e têm propriedades para alugar são mais atenciosos e cuidadosos com as casas.

O que fazer em São Miguel

A visita às ilhas dos Açores em família não estaria completa sem a ilha de São Miguel. A maior das ilhas deste arquipélago oferece atividades para todas as idades e gostos. Excursões, banhos termais, gastronomia fantástica e pessoas queridíssimas.

Neste post vou contar quais foram os highlights em São Miguel nesta viagem. Para quem quiser ver o roteiro completo da nossa primeira viagem é só visitar o post: Açores com crianças: Ilha de São Miguel.

Fábrica de Chá Gorreana

No primeiro dia visitamos a fábrica de chá Gorreana. A plantação de chá da Gorreana é a única na Europa e data de 1883. A visita à fábrica é muito interessante, todo o processo é, basicamente, manual e passado de geração à geração. A plantação não deixa por menos; os campos são lindíssimos e a sensação é de estar em algum lugar da Ásia.

Plantação de chá na Fábrica da Gorreana

Poça da Dona Beija

Depois desta linda visita fomos às piscinas ferrosas da Poça da Dona Beija (da outra vez tínhamos ido ao Parque Terra Nostra) nas Furnas. O lugar está muito bem cuidado, super limpo e relativamente adaptado. A água das piscinas chega perto dos 40ºC e achei que as crianças não iam gostar muito. Erro meu! Entraram e não queriam sair, até a Noa (1 ano e 2 meses) amou a brincadeira.

Jardim da Poça da D. Beija

Nós três nas piscina de água ferrosa

Como já era hora de almoçar, aproveitamos a zona de piquenique da Lagoa das Furnas e almoçamos por ali. Para quem gosta de excursões, na Lagoa tem está aqui.

Zona de piquenique da Lagoa de Furnas

Igreja abandonada na trilha da Lagoa de Furnas

No segundo dia fomos à Sete Cidades, que continua maravilhosa, e à Ferraria (ver post da nossa primeira viagem).

Kai e Noa na lagoa de Sete Cidades

Lagoas Verde e Azul de Sete Cidades

Excursões em São Miguel

São Miguel tem várias excursões com diferentes níveis de dificuldade. Nós fizemos duas: a Lagoa do Fogo e a Ribeira dos Caldeirões.

Lagoa do Fogo

Então chegamos à excursão mais esperada: a descida até a Lagoa do Fogo. Sabíamos que não poderíamos fazer excursões muito longas, nem muito difíceis (meu preparo físico não é lá estas coisas e estávamos com as crianças e meus sogros (nota mental: se bem que eles sim tem preparo físico!), então esta era perfeita. Paramos o carro no mirador e começamos a descida pela trilha ( aproximadamente 5 km, 145 m de desnível). O Kai foi super bem com o seu “bastão de explorador” e a Noa (nota mental: acho que pensou que tínhamos enlouquecido) foi bem contente carregada pelo “Buen Padre”. Fizemos a descida em 40 minutos. As vistas durante a descida e lá embaixo são lindas!!! Valeu a pena!

Lagoa do Fogo

Excursão da Lagoa do Fogo. O Kai foi super companheiro!

Toni com a Noa na mochila da Babybjörn.

Subida final da excursão da Lagoa do Fogo

Parque da Ribeira dos Caldeirões

No último dia (4º dia) tínhamos o voo para Faial no final da tarde. Aproveitamos para ir ao Parque da Ribeira dos Caldeirões, que já tínhamos ido, mas desta vez fizemos a excursão (6 km e 180 de desnível, 1:50 minutos) da parte inferior do parque. Uma excursão no meio do bosque, que parecida saído da historinha do João e Maria. Um passeio lindo, apesar da informação online dizer que a rota era circular e, em realidade, é linear.

O nosso excursionista!!!

Excursão da Ribeira dos Caldeirões. No final era mais complicada do que pensávamos.

A trilha da Ribeira dos Caldeirões parecia saída de um filme.

Tínhamos acabado a trilha…só faltava a subida.

Gastronomia local

Nós reencontramos uns amigos que fizemos no Mané Cigano, da primeira vez que fomos aos Açores em família. Eles nos contaram das “cracas”, isto mesmo, Cra-cas.  É um molusco, parecido ao percebe, mais difícil de comer e com um sabor muito mais intenso. E o mais divertido é tomar o “caldinho” do molusco de “palhinha”! Adoramos! Muito obrigada pela dica!!! E depois almoçamos no nosso “de sempre” Mané Cigano!

Estas são as Cracas.

E assim se toma o “caldinho” que fica dentro.

DicaduKa-i: Um dos ótimos programas das Açores em família é provar as delicias da gastronomia açoreana. As lapas e as cracas deliciosas e vale a pena prová-las. Estas, porém são difíceis de “pescar” e, por tanto, nem sempre há. O melhor é ligar e reservar.

O que Fazer na ilha do Faial

Da primeira vez que fomos às Açores em família passamos somente 1 dia no Faial. Então desta vez tínhamos muitos lugares para conhecer. Ficaram pendentes, principalmente, as excursões do vulcão dos Capelinos e da Caldeira.

Vulcão dos Capelinos

Já no nosso primeiro dia no Faial fizemos a excursão no Vulcão dos Capelinos. Desta vez crianças e avós ficaram pois, apesar de ser uma excursão de nível médio (aproximadamente 6 km e 2 horas saindo do Centro de Interpretação, fazendo a cratera e a praia e acabando em Porto do Comprido), a trilha é de “pedras soltas” e há um trecho mais inclinado que achamos melhor não arriscar com os pequenos. As fotos falam melhor que as palavras… valeu cada passo!!!

Nós três, onde um dia estivemos nós dois: o farol da Ponta dos Capelinos.

O mundo é meu!

Começo da subida do Vulcão dos Capelinos

Excursão da subida do Vulcão dos Capelinos

Vistas desde o Vulcão dos Capelinos

Descida do Vulcão dos Capelinos com a praia de Porto Comprido ao fundo

Acabamos a excursão com um mergulho na praia de Porto Comprido. Um banho de mar com os Capelinos de fundo; espetacular!

Banho merecido em Porto Comprido com o Vulcão dos Capelinos de fundo.

Peter Café Sport e Marina de Horta

Acabamos a tarde no Peter Café, uma bar mítico de marinheiros e pescadores. Depois deste “pitstop” fomos jantar na Tasca O Capitólio. Lá provamos o delicioso “peixe porco” e jantamos muito bem (apesar de não terem trocador nem cadeirinha de bebes).

Neste dia, na marina de Horta, conhecemos uma família “expert em viagens com filhos”. São holandeses e passaram 1 ano navegando com as filhas por lugares incríveis. Para quem quiser ler o blog deles é o s/y AGAPE.

Caldeira

Finalmente chegou o dia! A excursão da Caldeira do Faial!

Estávamos todos super motivados e, como o nível indicado era “Fácil”, decidimos que todos, avós e crianças, faríamos a excursão (rota circular, 8 km, 320 de desnível…e ainda assim achávamos que faríamos todos!). Assim, começamos. Éramos 6. Na primeira meia hora  o meu sogro desistiu e voltou ao estacionamento. Éramos 5. Depois de 1 hora de excursão, sem ter avançado muito e com Kai já a passos de tartaruga, vimos que precisaríamos de um “Plano B”.

Uma vez éramos 6 fazendo a excursão da Caldeira…

Ao longe avistei uma estrada e, por sorte, dois carros (nota mental: “se eles chegaram até lá, meu sogro também pode”). Tentamos ligar, mas não tínhamos sinal de celular. Caminhamos até a estrada e paramos o primeiro carro que passou. Depois de alguns minutos de conversa vimos que eram pessoas queridíssimas e tivemos a “cara de pau” de pedir para que eles levassem as crianças e a sogra até a cidade mais próxima. Assim foi… crianças e sogra despachados e mamãe e papai puderam acabar a volta à cratera.

Estes foram os “Salvadores da Pátria”. Sogra e crianças despachados…

Vista da Caldeira do Faial durante a excursão.

O que fazer na ilha do Pico

A ilha recebe este nome pelo vulcão da Montanha do Pico que com 2.350 m é ponto mais alto de Portugal.

Passamos um dia no Pico, das 8:00 da manha às 10:30 da noite.

A nossa ideia era visitar a Gruta das Torres (ou grutas da Madalena como as chamam os locais) e seguir até Lages. Quando chegamos à Gruta tivemos uma surpresa: a visita somente é permitida com guias e as visitas têm horas marcadas. Na web eles sugerem que sejam marcadas, mas na verdade ou você marca ou corre o risco de chegar e estar cheio, como aconteceu conosco. Outra questão que não há informação na web é que as crianças tem que andar para poder entrar na gruta, ou seja, não é permitido levar crianças de colo. Sendo que as visitas têm um intervalo de 1,5 hora e a visita em si dura entre 1 e 1,5 hora, ou alguém fica sem visitar a gruta ou seriam necessárias 3 horas para esta visita. Nós decidimos não fazê-la porque somente tínhamos um dia na ilha.

Seguimos para Lages pela estrada do Mato que passa pelo pé da Montanha do Pico. O trajeto é lindo e tivemos muita sorte pois o Pico estava descoberto.

Montanha do Pico

A principal atração desta ilha é a “subida do Pico“. Nós, por estar visitando as Açores em família, já sabíamos que não poderíamos fazê-la. Esta é uma excursão de aproximadamente 7,5 km (tempo médio de subida 4 horas), em terreno arenoso e, atualmente, somente pode ser feita com guias. Era impossível com duas crianças. Teve que ficar para a próxima.

A montanha do Pico. Uma sorte incrível poder vê-la descoberta.

Espaço Talassa

Almoçamos no Espaço Talassa, nas Lages. Este Espaço é dedicado ao turismo responsável e solidário e nasceu da união de um antigo baleeiro e de um velejador. Hoje o Espaço conta com um alojamento, um restaurante e um centro de atividades. O seu passeio para observação de cetáceos é famoso e muito recomendado.

Museu dos Baleeiros

A ilha do Pico foi o principal centro baleeiro no final do século XIX e inícios do XX. Neste período foram mortas mais de 12 mil baleias. Em 1987 foi capturado o último cachalote e tudo isto é explicado com detalhes no Museu dos Baleeiros.

O museu fica ao lado do Espaço Talassa e é um ótimo lugar para visitar. O Kai adorou ver o vídeo de como caçavam os cachalotes, poder ver um barco baleeiro e, por sorte, conversar com um senhor que tinha sido “caçador de cachalotes”. Foi uma visita realmente muito interessante.

Kai emocionado vindo contar que tinha conhecido um “Caçador de Baleias”.

Piscinas naturais da Calheta

No final da tarde fomos às piscinas naturais da Calheta. Estas piscinas naturais estão bem organizadas, com banheiro, duchas, bar e até uma piscina de água salgada construida para os pequenos.

A viagem foi incrível e outra vez as ilhas dos Açores não nos decepcionaram. Acabamos a viagem com esta vista do Pico.

Montanha do Pico vista do avião

DicaduKa-i: para os amantes das excursões o site Wikiloc é ótimo e de grande ajuda.

 

Leia os outros posts dos Açores:

Açores com crianças: dicas gerais

Açores com crianças: Ilha Terceira

Açores com crianças: Ilha do Faial

Açores com crianças: Ilha das Flores

Açores com crianças: Ilha de São Miguel

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ana, mãe do Kai de 3 anos e da Noa de 2 meses. Arquiteta, mãe e passageira, seja para onde for a viagem. Ela adora viajar em família e mostrar diferentes países e culturas aos seus pequenos.

Ver meus outros posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *