Japão com crianças: aprendendo a fazer um bentô de Totoro

Japão com crianças: aprendendo a fazer um bentô de Totoro

Em qualquer lugar do mundo, comer durante viagens é muito mais do que matar a fome. A comida japonesa é instigante, diferente e divertida. No Japão, a cada sushi com peixe fresquinho, você entende como os japoneses se importam com os detalhes; a cada udon ou lámen inesquecível, você aprende o que significa sabor para eles e como o capricho por lá está em um outro patamar.

Fora que as comidas deliciosas de cada viagem viram uma espécie de túnel do tempo – mesmo anos depois, assim  que você lembra do quitute ou do prato, ele te transporta imediatamente de volta para aquele destino.

Aprendendo a fazer um bentô – comida japonesa

Por tudo isso, a gente queria aprender um pouquinho sobre como preparar comida japonesa e, assim, entrar em contato. De muitas ideias, a escolhida foi uma aula de bentô – aquelas marmitinhas que os japoneses levam na escola ou no trabalho.

Encontramos essa aula pelo Airbnb Experience* – um serviço do Airbnb em que você contrata passeios, aulas e afins acompanhados por anfitriões locais. E, olha, foi demais, tanto pra mim e pro meu marido como pras crianças.

Confesso que estava um pouco receosa, achando que talvez fosse difícil demais ou longo demais pros dois. Mas que nada!

O Theo e Liz adoraram, especialmente porque a ideia era fazer o que os japoneses chamam de kyaraben ou chara-bento: “character bento”, ou seja, um bentô com um personagem.

E, no caso, era o Totoro, que meus filhos apenas amam de paixão (e eu também!).

Chegamos na aula e já fomos saudados com aquela alegria e interesse tradicional no país (amo!). Nossas duas professoras eram umas fofas – e uma delas falava inglês, o que já era uma ajuda e tanto.

Os ingredientes já estavam separados quando chegamos e logo fomos entendendo o que íamos fazer na próxima hora.

Flor de omelete

E foi pura diversão. Ah, com um pouquinho de tensão, pra acertar os olhinhos dos personagens e outros detalhes 😉  A primeira tarefa era fazer o tradicional omeletinho japonês (tamagoyaki), que gostamos tanto que vai entrar na lancheira aqui das crianças!

As professoras foram super pacientes e nos ajudaram a cada passo. O melhor é que elas ficavam super felizes quando conseguíamos acertar, como quando o Theo fritou o omeletinho dele direitinho. Ganhou palmas e elogios!

E assim fomos fazendo o restante do bentô… o ovo virou florzinhas, o arroz misturado com gergelim preto moído virou o corpinho do Totoro, salsichinhas fritas faziam as vezes de polvo, uma fatia de queijo cortada em bolinhas e um “pingo” de alga viraram os olhinhos….

Depois, sentamos para comer e conversar. E a professoras nos explicou sobre o porquê de as mães nipônicas capricharem tanto na lancheira. Elas acreditam que fazer personagens é um jeito de incentivar os filhos a comeram de um jeito mais saudável.

Muitos adultos também costumam levar bentôs pro trabalho, mas daí, o brócolis é apenas brócolis e não mini-árvores que cercam um personagem e enfeitam a “cena”. 😉

* Fizemos nossa aula de bentô a convite do Airbnb Experiences.

 

Leia mais sobre esta viagem para o Japão

Japão Com Crianças: O Que Meus Filhos Mais Gostaram

Japão com crianças: o restaurante do robozinho

Japão com crianças: o ‘parquinho’ mais legal do mundo

 

Leia outros posts sobre o Japão:

Tokyo Disneyland e Tokyo DisneySea – os dois parques do Japão

Dicas essenciais de Tokyo

 

E outros países asiáticos:

Coreia com crianças: mais que uma aventura!

DZM (Zona Desmilitarizada da Coreia) sem crianças

Viagens com crianças para destinos diferentes

 

Vai viajar para o Japão? Não esqueça de fazer seu seguro viagem. Acesse o Seguros Promo e confira as tarifas e coberturas. Use nosso CUPOM na Seguros Promo e tenha 5% de desconto: VIAJOCOMFILHOS5.

Mariana Della Barba é jornalista e mãe do Theo e da Liz. Desde a barriga, os dois já foram “contaminados” por aquele bichinho que dá coceira se a gente fica muito tempo em casa 😉 Ama levar os filhos para turistar mundo afora, mas também na sua própria cidade. Tanto que escreveu o guia “São Paulo com Crianças”, lançado pela Pulp.

Ver meus outros posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *