O Airbnb é seguro? Como funciona?  

O Airbnb é seguro? Como funciona?  

Atualizado em

Quem acompanha o blog sabe que somos bem ecléticas quando se trata de hospedagem. Gostamos de um bom hotel tanto quanto de uma pousada simples e charmosa. Curtimos de resort a hostel. Adoramos motorhome e já experimentamos (e amamos) casa-barco! Também alugamos muito apartamentos pelo Airbnb. Quando falo isso, muita gente me pergunta: o Airbnb é seguro? Como funciona?

Pois bem, para começar é importante explicar o que é o Airbnb. Trata-se de uma plataforma online que conecta anfitriões e hóspedes. Quem quer alugar um apartamento, casa, quarto, trailer, castelo ou casa na árvore (tem de tudo, acredite!), anuncia seu espaço no site para quem está interessado em alugar. Toda a transação financeira acontece dentro da plataforma e um sistema de avaliação (tanto do espaço quanto de quem alugou) garante uma escolha mais segura e confiável.

airbnb é confiável

Vista do nosso apartamento para alugar em Balneário Camboriú-SC

Eu já me hospedei em apartamentos e casas alugadas através do Airbnb em muitas cidades. Minha primeira vez foi em Nova York, uma cidade onde a plataforma atravessa alguns entraves. A legislação lá mudou algumas vezes (certifique-se na própria plataforma quais são as regras atuais) e parece que agora só é possível alugar apartamento inteiro por no mínimo 30 dias ou, no caso de querer ficar menos tempo, um quarto, se o anfitrião estiver presente. Por causa dessas questões – e também por outras variáveis como preço, número de pessoas, comodidade, localização – é bom avaliar bem se Airbnb é a melhor opção para a sua viagem. Também já alugamos em cidades como São Francisco, Venice (Los Angeles), Paris, Roma, Bridegtown, Barcelona, Lima, Cannes, Lisboa e Austin. Tivemos também uma experiência incrível em uma casa deslumbrante na SardenhaGosto muito da experiência de viver como vivem os locais, nem que seja só um pouquinho!

 

Airbnb é seguro

Penthhouse que alugamos em Barbados: maravilhosa!

 

Em março de 2019 a empresa informou que atingiu 500 milhões de hóspedes. A plataforma nasceu em 2007 e, desde então, já anunciou um rendimento maior do que U$ 65 bilhões. São 6 milhões de hospedagens de todos os tipos, no mundo inteiro. Mas e a pergunta: o Airbnb é seguro? Minha resposta: nunca tive nenhum problema com o Airbnb, nem como inquilina nem como anfitriã (tenho um apartamento em Balneário Camboriú para alugar). Para ter a melhor experiência, é preciso ter alguns cuidados. Não alugar por impulso e ler tudo que está escrito – das avaliações à política de cancelamento – é fundamental para ter uma boa experiência. Claro que sempre pode haver falhas: fotos que não condizem com a realidade, uma localização que parece boa mas não é, falta de itens básicos como toalhas ou roupa de cama, vizinhos barulhentos… A boa notícia é que, na imensa maioria das vezes, é possível evitar essas roubadas. É só saber usar direitinho!

6 dicas para se hospedar pelo Airbnb

1. Leia tudo, avalie com calma

Depois de preencher as datas de entrada e saída, e o número de hospedes, a plataforma vai lhe sugerir as opções disponíveis. Faça uma busca com calma, lendo a nota geral, a nota por item (localização, limpeza, precisão, comunicação, check-in e valor). Veja o número de camas e quartos e quais são as comodidades disponíveis (máquina de lavar roupa, wi-fi, ar-condicionado etc). Leia todos os comentários para saber a opinião dos hóspedes e avalie com bom senso. As pessoas têm referências e níveis de exigências diferentes, mas dificilmente alguém vai dizer que um apartamento estava sujo se ele estava superlimpo. Acredite nas avaliações, elas estão lá para te ajudar.

2. Tire suas dúvidas

Envie mensagens ao anfitrião com todas as suas dúvidas. Eu sempre me certifico se tem roupa de cama/banho e a distância de mercados, restaurantes, praia ou da estação de metrô, por exemplo. Também converso sobre os horários de check in e check out para não ter surpresas. Em Roma tivemos que pagar uma taxa cara por chegar tarde no apartamento. Se estiver com crianças pequenas, pergunte se tem redes nas janelas (no caso de apartamento em andar alto), se tem berço, banheira… Muitas hospedagens estão bem preparadas para receber bebês e crianças. Não tenha vergonha de perguntar e de mandar mensagem quantas vezes for preciso. A rapidez, gentiliza e precisão nas respostas é um excelente indicativo também.

3. Opte por apartamentos com mais avaliações

Quanto mais avaliações (boas, claro) tiver uma hospedagem, maior a probabilidade de que a nota seja precisa. É bem mais fácil formular uma média a partir de 50 avaliações do que de 2, por exemplo. Mas lembre-se de que existem novatos. Muitas vezes o apartamento não tem muitas avaliações porque está há pouco tempo na plataforma. Na dúvida, converse com o anfitrião.

4. Procure Superhosts

Quando o anfitrião estiver identificado como Superhost, significa que ele é experiente e dá um excelente exemplo para outros anfitriões. Ou seja, tem ótimas avaliações e faz tudo de maneira correta e eficiente, com agilidade e profissionalismo. Suas atividades são verificadas pelo Airbnb quatro vezes por ano para que ela possa permanecer com esse status. Sempre que puder, opte por alugar de um Superhost.

5. Fique atento às regras da casa e políticas de cancelamento

Leia tudo com atenção. Aqui vale o ditado: o combinado não sai caro. Nas regras da casa, normalmente, está especificado se pode fumar, fazer festa, levar animais de estimação, qual é o valor de depósito de segurança para cobrir possíveis danos na propriedade etc. Já na politica de cancelamento estão as normas em relação a desistência, reembolso, etc. Eu morro de medo de perder dinheiro com imprevistos, então sempre opto por apartamentos com possibilidade de reembolso total o mais perto possível da data do check in. Mas mesmo quando não está dentro do prazo do cancelamento e acontece uma emergência (e forma de justificar), há a possibilidade de reembolso. Minha mãe já tinha um apartamento alugado em Montevideo esse ano quando descobriu que precisaria acompanhar minha irmã em tratamento de saúde. Com o laudo médico ela foi 100% reembolsada. Tanto o anfitrião quando o Airbnb foram extremamente compreensíveis e atenciosos.

6. Escolha muito bem a localização

Para mim, a localização é um dos itens mais importante na hora de escolher uma hospedagem. Prefiro ficar em um apartamento mais simples num bairro bacana, com fácil acesso a transporte público e pontos de interesse (atrações turísticas, praia, bons restaurantes, mercado, farmácia, cafés) do que num apartamento incrível e longe de tudo. Na hora da busca, a plataforma não mostra a localização precisa (só aproximada). Se quiser mais detalhes, escreva para o anfitrião perguntando o endereço ou pontos de referência próximos e olhe no Street View do Google Maps para ver bem a região.

 

Airbnb é seguro

Apartamento que alugamos em Lisboa, em 2017

Os prós e contras de se hospedar pelo Airbnb

Eu gosto muito de me hospedar em casa ou apartamento alugado. Para mim, o Airbnb é seguro e confiável, tanto quanto um hotel. Mas claro que é preciso avaliar o tipo da viagem, o que você tem disponível para gastar, com quem está viajando, o destino, a disposição para arrumar camas e lavar louça… Cada viagem tem um perfil, algumas combinam mais com hotel, outras com pousadas… Fizemos até um vídeo sobre o que é melhor: ficar em hotel ou alugar uma casa. A verdade é que nós gostamos mesmo é de viajar!

Segue abaixo uma listinha com os pós e contras de se hospedar pelo Airbnb.

Contras

– Tem que arrumar a cama, lavar a louça, deixar as coisas arrumadas. Não sou neurótica, mas detesto ficar no meio de bagunça e sujeira.

– Não tem serviço de quarto com comidas prontas a qualquer hora.

– Não tem concierge para reservar restaurantes, passeios e resolver algum problema que possa surgir.

– Não tem outros hospedes para socializar nas áreas comuns.

Prós

– Dependendo do número de hóspedes (e outras variáveis), sai mais em conta do que hotel. Para a nossa família (2 adultos, 1 adolescente, 1 criança) normalmente precisamos de 2 quartos de hotel para ficarmos bem acomodados.

– Dá para economizar um pouco nas refeições. Muitos hotéis, em especial na Europa, não incluem o café da manhã na diária.

– Temos uma filha que adora brincar. Mais do que isso: ela precisa! As bonecas (e acessórios) sempre viajam com a gente e temos que dar um tempinho de manhã ou a noite pra que ela fique feliz e tranquila. No hotel, geralmente, tem menos espaço pra isso.

– A parte mais legal é viver mais de pertinho a cultura local, ir ao supermercado, conhecer a vizinhança, se sentir um pouquinho morador da cidade!

Experiências Airbnb

Hoje além de hospedagem, o Airbnb oferece muitas outras experiências ligadas à cultura, gastronomia, natureza… Tem aulas de dança, degustação de vinhos, shows, passeios a cavalo, safaris fotográficos, expedições urbanas. Tem tudo que você possa imaginar. Funciona com o mesmo raciocínio: as pessoas anunciam atividades que podem oferecer, tanto a viajantes quanto pessoas que moram na mesma cidade, e os interessados pagam pela experiência. Ainda não experimentei, mas não vejo a hora!

Alugue um apartamento de frente para a praia em Balneário Camboriú

Alugue um apartamento em Paris

Alugue um apartamento em Roma

Conheça as experiências do Airbnb

Leia também 

Vídeo: ficar em hotel ou alugar uma casa? 

Roteiro de Paris em 6 dias com crianças 

Sardenha com Crianças 

Fernanda Ávila é jornalista, autora do Guia Nova York com Crianças, e mãe da Marina e da Olivia. Morou em Nova York e Lisboa e é sócia da Pulp Edições.

Ver meus outros posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *