As maiores dúvidas sobre viajar com filhos

As maiores dúvidas sobre viajar com filhos

Desde que escrevi o primeiro post aqui no Viajo com Filhos muita coisa mudou. A Olívia não tinha nem um ano e já conhecia 13 países. Hoje ela já conhece muitos outros, foi até para Madagascar, e a Cecilia chegou. Embora o ritmo de viagens tenha mudado um pouco, continuamos viajando, agora com as duas.

Dúvidas sobre viajar com filhos

Estes dias, na minha página do Instragram, perguntei quais as maiores dúvidas sobre viajar com filhos. Selecionei as 7 perguntas que mais me fizeram, para responder por aqui!

Dúvidas sobre viajar com filhos

1. Como viajar com filhos muda a experiência da viagem? O que muda?

Viajar com filhos é sair da rotina, fugir da mesmice. Curtir os momentos em família, sem tanta cobrança. É libertador!

Nossas escolhas e prioridades mudam. O dia começa mais cedo e intenso, o seu tempo diminui, o hotel precisa ser Kids Friendly e, talvez, até os destinos terão que se adaptar por um tempo. Precisamos mudar o nosso humor, duplicar a paciência e tentar ver as coisas pelo lado positivo. Crianças são imprevisíveis e teremos imprevistos pelo caminho.

Dúvidas sobre viajar com filhosViajar com filhos é estar com a nossa antena de mãe super ligada para não deixar a criança chegar a ficar cansada, com fome, com sono, entediada, pois isso pode acabar com o programa. É cansativo? É, mas é uma experiência que agrega muito. Recordações para o resto da vida.

As crianças se desenvolvem, curtem, aprendem, observam novas culturas, novos alimentos e reparam em tudo. Levamos as crianças para conhecerem o mundo, mas são elas que nos mostram o mundo numa nova perspectiva. Olivia está numa idade que repara e associa coisas que eu jamais faria e isso é enriquecedor. É uma troca incrível.

Viajar com filhos exige outras prioridades. E saber que você vai ter que se dedicar a eles e abrir mão de certas coisas. Mas isso não pode ser um peso. Precisamos sair de casa com essa maturidade ou vamos nos frustrar na viagem. Mergulhe de cabeça e aproveite cada momento.

Talvez eles não se lembrem, mas a gente lembra e sempre poderá contar sobre essas aventuras pra eles. Adoro mostrar fotos para a Olivia de quando ela era pequena nas nossas viagens e contar nossas experiências, o que ela fez e aprendeu em cada país, mostrar no mapa onde fica. Parece que ela revive aquilo tudo e passa a lembrar. E as vezes do nada me fala:

“Mamãe, você lembra quando a gente morou em Paris naquele apartamento que tinha uma varanda?”

“Lembra quando eu fui pra Nova “Yoki” e vi as focas e pinguins?”

Lembra quando eu fui pra Marrakech onde você e o papai se casaram?

Não tem nada mais recompensador do que criar essas memórias. Recomendo!

Dúvidas sobre viajar com filhos

2. Leva todas as roupinhas, fraldas, leite e lenços necessários ou vai comprando durante a viagem?

Para as viagens internacionais sim. Independente do destino (alguns você acha com facilidade e outros não), prefiro levar tudo já do Brasil. Fraldas, Leite, Lenços, uma “Farmácia” com remédios, produtos de higiene, roupas, tudo! Prefiro viajar tranquila, sem o compromisso de ter que parar e ir a uma farmácia ou em shopping. Já precisei e encontrei o leite da Olivia em Hong Kong, Capri, Dubai. Mas confesso que prefiro evitar o sufoco de ir atrás de leite.

Costumo fazer o o cálculo do leite e levo a mais. As crianças pequenas acabam mamando mais em viagens. Para os que ainda mamam na mamadeira, é um ótimo aconchego, relaxa e pode substituir uma refeição na correria de filas, aeroportos, metrô, táxi, etc.

Gosto de levar uma lata na mala de mão, caso a mala despachada extravie. Já aconteceu com a gente. Justo a mala da Olivia ficou pra trás e chegou no dia seguinte, mas eu tinha tudo comigo na malinha de mão. Também levo sabão e lavo roupinhas caso precise, prefiro não comprar.

Raramente fazemos compras nas nossas viagens. Não gosto de carregar muitas malas, principalmente quando estou com as crianças. E se compramos, é algo especial e memorável! Geralmente voltamos com a mala mais vazia pois o leite, as fraldas, os lenços, shampoo, tudo acaba. Eu amo a sensação de voltar mais leve. Só com a bagagem das histórias e memórias da viagem!

3. Como distrair um toddler no voo?Dúvidas sobre viajar com filhos

A fase dos 2 anos (Terrible Twos!) achei a mais difícil até agora. Eles nos desobedecem, nos testam, não querem colocar o cinto quando devem, querem abrir a mesinha no horário que não pode, e por aí vai… Mas tenha calma, não desista!

Gosto de conversar e envolver a criança alguns dias antes da viagem (uns 3 dias antes, para não gerar ansiedade). Conte sobre o destino e explique que no avião existem regras. Explique que ela irá colocar o cinto quando o comissário de bordo pedir, por exemplo. Em casa, brinco que estamos num avião com cinto, que não pode sair da cadeira, chutar
o vizinho da frente, abrir a mesa na decolagem e aterrissagem, etc… Dessa forma, na hora do voo, você reforça caso a criança desobedeça, pois ela já sabe o que pode e não pode fazer.

Já no avião gosto sempre de colocar a Olivia na janela. Por mais que precise pedir licença pro vizinho pra sair em alguma situação, acho que temos mais controle dos movimentos da criança e sempre tem algo pra mostrar lá fora. Aquela loucurinha dos carrinhos andando pra la e pra ca, as malas, aviões chegando e partindo, a torre de comando, ela adora observar e já rende bons minutos de distração. Por sinal, localizar a torre de comando desde que estamos na sala de embarque é uma de suas atividades favoritas.

E claro, estar equipada de brincadeiras ajuda muito. Faço uma mochila pequena e que ela consiga levar nas costas onde coloco distrações e alguns itens que ela mesma escolhe.

Itens que rendem brincadeiras no avião/aeroporto:

  • Cartelas de adesivos.
  • Papel e giz de cera (gosto de giz pq não suja a roupa)
  • Livro de atividades para pintar ou livro de adesivos reutilizáveis.
  • Livro de historia (algo leve) que também de para brincar de achar
    coisas. Gosto também de focar em livros com tema de aeroporto, avião,
    viagem.
  • Boneca pequena, mamadeira e colher (geralmente ela escolhe esses
    itens, ela ama!)
  • Lanchinhos: Bolacha, uva, mirtilo, banana e garrafinha de água!

E claro, usar a tecnologia a nosso favor! O celular ajuda e muito! Uso o aplicativo Playkids, onde baixo todos os desenhos e filmes que ela gosta antes da viagem e funciona sem wi-fi. Tem jogos como jogo da memória, quebra-cabeça (coisas que são inviáveis levar “ao vivo” no avião pq perdemos as peças) e desenhos animados de todos os tipos (use headphones ou deixe bem baixinho para não incomodar os vizinhos, por favor!).

4. Como fazer para a diferença de fuso horário impactar o mínimo possível a rotina do bebê?

O fuso é algo que não tem segredo, só com o tempo eles se adaptam (e nós também). Dizem que para cada hora de diferença é necessário 1 dia para se ajustar. As crianças dormem mais do que a gente, sinto que elas entram no fuso com mais facilidade do que eu. Minha dica é: tente dormir na hora que seu filho dorme. E paciência!

Dúvidas sobre viajar com filhos

Na Europa, por exemplo, que em média tem 4h a mais do que o Brasil eu acho um fuso maravilhoso. Quando estamos indo jantar as 20h, no corpo delas são 16h da tarde e elas aguentam firme. Voltamos umas 22h (18h no Brasil), damos banho e todos dormimos ao mesmo tempo. As crianças dormem 12h geralmente e começa nosso dia um pouco mais tarde! Quase nada abre antes das 10h da manhã, então aproveitamos juntos. Aos poucos elas vão automaticamente querendo dormir mais cedo e acordando mais cedo, e assim vamos ajustando pro horário local. Sem neura!

Concordo 100% com esse post da Pati Papp:
https://viajocomfilhos.com.br/2012/06/ressaca-ou-a-volta-da-viagem-com-criancas/

5. Roteiro de viagens baseado nos pais ou nos bebês?

Sou a favor de agradar a família toda. Com poucas excessões, a maioria dos destinos são Kids Friendly! Destinos de praia são incríveis para toda a família. Amei St Barths (contei aqui) e República Dominicana com crianças. No Brasil gostamos de Trancoso, Angra dos Reis e Ilha Bela.

Dúvidas sobre viajar com filhosMas também me surpreendi muito com destinos que jamais imaginei, como: Marrocos, Emirados Árabes, Madagascar, Hong Kong, Bali. Países que nos receberam de braços abertos e fizeram de tudo para agradar a Olivia.

Aliás, os bebês são os melhores companheiros de viagem. Aproveite enquanto seu filho não tem vontades próprias. Levamos a Olivia desde pequena e ela sempre se adaptou bem. Estar perto dos pais é o que basta para eles. Além de barriga cheia, fralda limpinha e soneca em dia.

Muita gente pensa que Resorts e Disney são os únicos destinos para as crianças. Mas da sim para agradar seu filho em qualquer canto do mundo. Olivia adora Nova York e Paris.

6. As viagens diminuíram com dois filhos?

Diminuíram, por enquanto. Com duas a logística muda! Sempre encorajo os pais que tem um filho (de colo, melhor ainda): aproveitem e viajem! Cecilia vai completar 11 meses essa semana e Olivia está com 2 anos e 9 meses. Duas fases bem trabalhosas. A pequena querendo andar e a mais velha bem ciumenta. Cecilia é um bebê tranquilo e se adapta facilmente, já se mostrou uma ótima companheira de viagem. Estamos focando em viagens no Brasil nesse primeiro ano como uma família de 4. Mas temos viagens programadas com as duas para breve!

7. Você leva babá para as viagens?

Acredito que essa seja uma escolha bem pessoal. Cada família é única, cada criança é diferente e tem uns maridos/parceiros que ajudam mais e outros menos. Não se compare.

Cada um sabe de si, sabe a sua necessidade. Então faça a escolha que te deixa mais segura. Viajar é algo que sai da nossa zona de conforto (com ou sem babá, pois somos nós que estamos no comando) e se for pra viajar com medo, não recomendo. Não vejo problema nenhum em levar babá. E nem acho que alguém é melhor se viaja sem babá.

Baseado nas minhas experiências pessoais, sempre evitei levar babá nas nossas viagens. Gosto de tornar a viagem um momento em família. Gosto da loucura e da convivência intensa. Prezo pela nossa privacidade. Babá tem seus prós e contras. Por estar em um país que não domina a língua, algumas acabam dando mais trabalho do que a criança. Coloque na balança!

Dúvidas sobre viajar com filhos

Quando tinha somente a Olivia era mais fácil. Rodamos o mundo só nós 3. Mas quando surgiam viagens que achei necessário, levei babá. Depende do objetivo da viagem. Levamos babá para duas viagens internacionais com a Olivia. A primeira foi pra St Moritz, ela tinha 9 meses, fomos esquiar e alguém teria que ficar com ela. A segunda foi Capri, Paris e Londres, quando ela tinha 1 ano e 3 meses e eu estava grávida da Cecilia e muito sonolenta. Achei necessário levar ajuda e foi ótimo ter um tempo para descansar.

Depois do segundo filho, e com diferença de idades próxima, achei que a necessidade de ter ajuda nas viagens aumentou. Pelo menos nesse início, com um bebê mamando de 3h em 3h e com muitas sonecas durante o dia e uma de 2 anos cheia de energia demandando atenção. Na nossa primeira viagem como uma família de 4 (Olivia 2 anos e 2 meses e Cecilia com 4 meses) fomos para Paris e Capri levamos ajuda. A rotina delas era muito diferente e queria curtir a Olivia enquanto a pequena dormia.

Resumindo, depende de cada situação e da necessidade de cada família. Analise e veja o que for melhor pra você. Não se compare com os outros. Mas gosto de encorajar os pais a tentarem viajar sem ajuda, você vai se surpreender!

Dúvidas sobre viajar com filhos

Leia os outros posts da Mari sobre viagens com bebês:

Mariana Cassou, mãe da Olivia e da Cecilia. Co-fundadora do e-commerce de moda Gallerist. Ama viajar, principalmente para destinos exóticos. É autora do guia "Marrakech", cidade onde se casou, lançado pela editora Pulp em 2014. Desde que virou mãe, leva Olivia em suas viagens pelos quatro cantos do mundo.

Ver meus outros posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *